Posts Recentes

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Resenha Cartas de Amor aos Mortos

Oi meus amores, como vocês estão? Eu estava morrendo de saudade de vocês e de escrever... Antes de qualquer coisa e antes tarde do que nunca... Feliz 2016, tudo de maravilhoso para todos nós :D. Nesse período em que fiquei sem escrever fiquei matutando sobre qual livro escrever, são tantos livros que quero fazer resenhas pra vocês *-*.


Eu já disse pra vocês que o título do livro é uma das coisas que mais me intrigam para descobrir a história e com o livro de hoje não foi diferente. O nome desse lindo é Cartas de Amor aos Mortos, eu o vi na internet, mas por algum motivo eu não quis ler a sinopse ou algo do gênero, eu simplesmente queria lê-lo, queria todo o mistério, nem me perguntem o porquê dessa reação, pois nem eu saberia responder ahahahahahaha. No início desse ano acabei comprando alguns livros, ele era um deles e decidi que deveria ser este o livro da minha primeira resenha de 2016.

Cartas de Amor aos Mortos é o primeiro romance da escritora Ava Dellaira. Essa preciosidade conta a história de Laurel, uma garota que acabara de entrar no ensino médio em uma nova escola e que acabara de perder sua irmã mais velha May. Perder alguém pra morte não é algo fácil e cada pessoa lida a sua maneira, Laurel não queria olhares de pena e por isso mudou de escola, quis entrar para um novo mundo onde coisas ruins não te acompanhem. Seus pais já eram divorciados quando May morreu, sua mãe acabou se mudando pra Califórnia e agora Laurel passava uma semana com seu pai e outra com sua tia Amy.

Na nova escola a sra. Buster, sua professora de inglês, passa uma primeira tarefa, um tanto peculiar eu diria, ela queria que seus alunos escrevessem uma carta para alguém que já morreu. Laurel ficou meio intrigada, mas no fim começou a escrever. A sua primeira carta foi destinada a Kurt Cobain, cantor preferido da May. No fim, Laurel não consegue entregar a tarefa, por mais que a carta estivesse pronta ela não quis entregar, era pessoal demais e ela não queria ninguém se metendo em sua vida, porém ela resolveu escrever mais e mais cartas, era uma forma de aliviar a sua dor. As cartas eram destinadas a Kurt Cobain, Janis Joplin, Judy Garland, Elizabeth Bishop, River Phoenix, Amy Winehouse, Amelia Earhart, Jim Morrison, Heath Ledger, Allan Lane, E.E. Cummings e John Keats. Ela sempre enrolava dizendo a professora que estava fazendo a atividade.

Quando Laurel escrevia as cartas ela contava um pouco da história dos destinatários e fazia referência da história deles com a sua irmã, as situações cotidianas, sua família, e seus novos amigos Sky, Natalie, Hannah, Tristan e Kristen.

“ Todos nós queremos ser alguém, mas temos medo de descobrir que não somos tão bons quanto todo mundo imagina que somos” - Laurel

Laurel amava muito sua irmã May, ela era como um modelo a ser seguido, alguém que você gostaria de ser, mas Laurel precisava descobrir quem era ela de verdade. O fato da troca de escola não foi apenas a morte, mas tudo que levou a isso além de ser um dos mistérios do livro. A evolução de Laurel ao decorrer do livro e como ela consegue se perdoar e lidar com tudo que aconteceu é trazido pela autora de uma forma muito natural e sutil.

“ Você acha que conhece alguém, mas essa pessoa sempre muda, e você também está em transformação. De repente entendi que estar vivo é isso. Nossas próprias placas invisíveis se movem em nosso corpo, e se alinham à pessoa que vamos nos tornar” - Laurel

Eu amo livros reflexivos, que mexem com teu âmago e te fazem despertar. Eu aprendi tanta coisa, conheci história de pessoas que eu achava que conhecia, mas o que eu conhecia era a casca ou o que elas queriam que a gente acreditasse que fosse verdade. Às vezes estamos em uma fase de merda, à deriva sem saber pra onde ir ou que fazer e muitas vezes o que precisamos é falar, expressar o vazio que corrói o silêncio mais barulhento em nossas mentes. A forma como dizemos as coisas ao mundo pode ser o nosso grito de socorro.

“ Talvez ao contar as histórias, por pior que sejam, não deixemos de pertencer a elas. Elas se tornam nossas. E talvez amadurecer signifique que você não precisa ser uma personagem seguindo um roteiro. É saber que você pode ser a autora” - Laurel

Outra coisa que amei nesse livro e pode soar meio bobo, mas você já viu um livro com trilha sonora? Um ou outro tem referência a uma música, mas esse aqui é um álbum todo. Por sinal estou escrevendo a resenha ouvindo as músicas que Laurel faz menção e pelos destinatários descritos acima vocês já devem imaginar que maravilhosa essa playlist está <3.

Mais uma mensagem importante que este livro me presenteou foi a de que não devemos julgar nada e nem ninguém. Eu sei que é muito difícil, fazemos isso o tempo todo, mas só nós sabemos as nossas lutas diárias, o que passamos e as coisas que tornaram o que somos hoje. Como diz Caetano: Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é ;).

“Às vezes, quando falamos, ouvimos o silêncio. Ou apenas ecos. Como gritos vindos de dentro. E isso é muito solitário, só acontece quando não estamos ouvindo de verdade. Significa que ainda não estávamos prontos para ouvir. Porque toda vez que falamos, há uma voz. Existe o mundo que responde...” - Laurel

Meus amores, espero que vocês tenham gostado e sintam vontade de ler :).
Uma excelente e proveitosa leitura a todos :3.

Beijos da Jel :*

4 comentários:

  1. Olha, eu namoro esse livro há um tempinho, principalmente por causa do título e por citar ícones do rock. Depois dessa resenha eu não vou mais adiar a leitura!

    Beijos!

    Ps: eu acabei de conhecer o blog e já tô comentando loucamente. Mas é porque eu tô amando o conteúdo de vocês hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aiiiiinnnnnn, que lindo <3. Você vai amar :3. Obrigada, por gostar da resenha, espero que você desfrute desse livro com muito amor e quando terminar de ler quero saber sua opinião ;)
      Nosso blog é puro amor, pode comentar loucamente sempre ahahahahahahahha :D
      Boa sorte com teu blog :)

      Beijos

      Excluir
  2. Puxa, que interessante. Achei bem real e verdadeiro. Fiquei muito curiosa.
    boa semana :)

    Red Behavior

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Maria Eduarda. É muito real e verdadeiro, espero que você aprecie leitura dele :). Quando ler quero saber sua opinião :).
      Boa semana.
      Beijos ;*

      Excluir

Obrigada por comentar! Seu comentário é muito importante para nós.
Volte sempre :)

© Mero Detalhe - 2013. Todos os direitos reservados.
Design by: Colorize Desin .
Tecnologia do Blogger .